A Esperança e Augusto dos Anjos









A cidade, o Estado e o País vivem um surto de violência em que crimes banais, vistos de longe, são apenas estatísticas, mas refletem pequenas tragédias pessoais, falhou ali a figura do Estado, como agente de segurança pública, no rompimento da esperança de mais uma vida.

Vivemos "encarcerados" em nossas casas com medo de, ao sair para a rua, ser mais uma vítima anônima. 

Com esta incerteza, vamos às urnas em outubro, tendo apenas a esperança de dias melhores, e nisto lembro da poesia A ESPERANÇA de Augusto dos Anjos:

A Esperança não murcha, ela não cansa,
Também como ela não sucumbe a Crença.
Vão-se sonhos nas asas da Descrença,
Voltam sonhos nas asas da Esperança.

Muita gente infeliz assim não pensa;
No entanto o mundo é uma ilusão completa,
E não é a Esperança por sentença
Este laço que ao mundo nos manieta?

Mocidade, portanto, ergue o teu grito,
Sirva-te a Crença de fanal bendito,
Salve-te a glória no futuro - avança!

E eu, que vivo atrelado ao desalento,
Também espero o fim do meu tormento,
Na voz da Morte a me bradar; descansa!

Um comentário: