Turismo

Folclore

Domingo quente no Rio Grande

O termômetro foi inclemente, temperatura gelada com a chegada de mais uma frente fria na capital de todos os gaúchos.

A única região que realmente "esquentou" foi na sede do Tribunal Federal da 4ª região, quando o desembargador plantonista fez uma série de despachos (decisões) sobre um "habeas corpus" protocolado pelo PT. Acompanhe abaixo matérias jornalisticas a respeito do assunto:

Eliane Cantanhêde comparou a falta de escrúpulos do plantonista do TRF-4 àquela dos signatários do AI-5.

“O que está ocorrendo no TRF-4, de Porto Alegre, não é uma decisão jurídica, mas uma articulação claramente político-partidária entre deputados e um desembargador que mandaram “às favas os escrúpulos de consciência” (como na edição do AI-5, na ditadura militar) para soltar o ex-presidente Lula.”

Apenas para situar, a fala acima (da ditatura) foi de Jarbas Passarinho, na época, Ministro do Trabalho de Costa e Silva), durante a reunião que decretou o Ato Institucional, em 13 de dezembro de 68 :

“Às favas, senhor presidente, com os escrúpulos de consciência”

Maristela Basso, professora da USP, disse à Folha de S. Paulo que o plantonista Rogério Favreto pode ser acusado de crime de usurpação de função pública.

Joaquim Falcão, professor da FGV, acrescentou:

“A questão não é o ativismo do Judiciário, mas a militância do magistrado. E a militância é um subproduto da fragmentação e da individualização da Justiça, cujo exemplo básico vem de cima, do Supremo Tribunal Federal”.

O desembargador Guilherme Nucci, do TJ de São Paulo, disse que Sergio Moro “agiu corretamente” ao impedir a soltura de Lula.

O Estadão perguntou-lhe:

“Ao se negar a expedir o alvará, Moro agiu segundo o princípio de que não é obrigado a obedecer a ordem manifestamente ilegal?”

Ele respondeu:

“Correto. Como regra, ninguém é obrigado a cumprir decisão ilegal de qualquer autoridade. Logo, Moro agiu corretamente ao dizer que o plantonista não é competente para o caso. Aliás, devia ter dito que nem ele é. Essa decisão foi uma ‘barbaridade jurídica’, que empobrece a imagem do Judiciário.”

E mais:

“A decisão de prisão partiu da Turma do TRF-4. Então, questionamentos devem seguir para o STJ e, depois, para o STF. Plantonista não pode mudar decisão de colegiado. Jamais.”


Operação de combate à violência contra a mulher

Foto: Polícia Civil
Cinco homens foram presos, quatro deles preventivamente por descumprimento de medidas protetivas e um em flagrante
A Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Porto Alegre, deflagrou, na manhã desta quarta-feira (27), a Operação Themis, com o objetivo de combater os crimes relacionados à violência doméstica e familiar contra a mulher e feminicídio. 

Durante a operação, que foi realizada em Porto Alegre e Canoas, cinco homens foram presos, quatro deles preventivamente por descumprimento de medidas protetivas e um em flagrante. 

Com os indivíduos foram apreendidas seis armas de fogo, sendo duas pistolas e quatro revólveres, além de um simulacro e munições de diversos calibres. Em uma das residências, foram localizadas diversas peças de roupa com símbolos da Polícia Civil e insígnias. 

Segundo a delegada Tatiana Barreira Bastos, as armas apreendidas eram utilizadas pelos indivíduos para ameaçar e intimidar as vítimas no âmbito familiar. “O indivíduo preso com as roupas da Polícia Civil era conhecido pelos vizinhos como sendo policial”, disse a delegada. 

Aproximadamente 45 policiais civis participaram da Operação Themis, durante o cumprimento de 17 mandados de busca e apreensão e sete mandados de prisão preventiva em diversos bairros de Porto Alegre e Canoas.

Fonte: SSP

Massa de ar polar avança pelo Estado e causa queda das temperaturas

Porto Alegre terá temperatura mínima de 6ºC | Foto: Bernardo Bercht / Especial CPApós uma semana com temperatura máxima próxima dos 30ºC, o frio retorna ao Rio Grande do Sul neste sábado. A baixa das temperaturas é causada pelo avanço de uma massa de ar polar que atua na Argentina. O frio será acompanhado de tempo seco. Durante o final de semana, o sol deve aparecer entre nuvens e não deve chover na maior parte do Estado.

A massa de ar polar que ingressa no RS foi responsável pela formação de neve na região de Mendoza, na Argentina, causando, inclusive, o fechamento de passagens entre o país e o Chile. Contudo, ao avançar em direção ao Rio Grande do Sul, a massa perde força e deve causar apenas a baixa da temperatura, sem previsão de neve.

Em Porto Alegre, pode fazer 6ºC no domingo, de acordo com Metroclima. A temperatura mais baixa será registrada durante a madrugada e ao amanhecer. A máxima no final de semana deve ser 18ºC


Previsão para o fim de semana:


Sábado: o sol aparece com nuvens no decorrer do dia. Ainda ocorrem períodos de maior nebulosidade com chance de chuva fraca ou garoa entre a madrugada e manhã. O vento sopra fraco do quadrante Sul. A temperatura cai mais e faz frio ao longo o dia. A mínima ocorre à noite. Mínimas entre 8°C e 10°C e máximas entre 14°C e 16°C.

Domingo: o sol predomina no decorrer do dia, com períodos de céu claro. O vento fica calmo. Mínimas entre 6°C e 8°C e máximas entre 16°C e 18°C.

A Geração “Floco De Neve”

Quando imaginamos um floco de neve, nós o associamos à beleza e singularidade, mas também à sua enorme vulnerabilidade e fragilidade. Estas são precisamente duas das características que definem as pessoas que atingiram a idade adulta na década de 2010. Afirma-se que a geração “floco de neve” seja formada por pessoas extremamente sensíveis aos pontos de vista que desafiam sua visão do mundo e que respondem com uma suscetibilidade excessiva às menores queixas, com pouca resiliência.

A voz de alarme, por assim dizer, foi dada por alguns professores de universidades como Yale, Oxford e Cambridge, que notaram que a nova geração de alunos que frequentavam suas aulas era particularmente suscetível, não tolerante à frustração e particularmente inclinados fazerem uma tempestade em um copo de água.


3 erros educacionais colossais que criaram a geração “floco de neve”


1. Superproteção. A extrema vulnerabilidade e escassa resiliência desta geração têm suas origens na educação. Estes são, geralmente, crianças que foram criadas por pais super protetores, dispostos a pavimentar o caminho e resolver o menor problema. Como resultado, essas crianças não teve a oportunidade de enfrentar as dificuldades e conflitos do mundo real e desenvolver tolerância à frustração, ou resiliência. Não devemos esquecer que uma dose de proteção é necessária para que as crianças cresçam em um ambiente seguro, mas quando impede que explorem o mundo e limite seu potencial, essa proteção se torna prejudicial.

2. Sentido exagerado de “eu”. Outra característica que define a educação recebida pelas pessoas da geração “floco de neve” é que seus pais os fizeram sentir muito especiais e únicos. Claro, somos todos únicos, e não é ruim estar ciente disso, mas também devemos lembrar que essa singularidade não nos dá direitos especiais sobre os outros, já que somos todos tão únicos quanto os outros. O sentido exagerado de “eu” pode dar origem ao egocentrismo e à crença de que não é necessário tentar muito, uma vez que, afinal, somos especiais e garantimos o sucesso. Quando percebemos que este não é o caso e que temos que trabalhar muito para conseguir o que queremos, perdemos os pontos de referência que nos guiaram até esse momento. Então começamos a ver o mundo hostil e ameaçador, assumindo uma atitude de vitimização.

3. Insegurança e catástrofe. Uma das características mais distintivas da geração do floco de neve é que eles exigem a criação de “espaços seguros”. No entanto, é curioso que essas pessoas tenham crescido em um ambiente social particularmente estável e seguro, em comparação com seus pais e avós, mas em vez de se sentir confiante e confiante, temem. Esse medo é causado pela falta de habilidades para enfrentar o mundo, pela educação excessivamente superprotetiva que receberam e que os ensinou a ver possíveis abusos em qualquer ação e a superestimar eventos negativos transformando-os em catástrofes. Isso os leva a desejarem se bloquear em uma bolha de vidro, para criar uma zona de conforto limitado onde eles se sintam seguros.

Para entender melhor como a educação recebida afeta uma criança, é importante ter em mente que as crianças procuram pontos de referência em adultos para processar muitas das experiências que experimentam. Isso significa que uma cultura paranóica, que vê abusos e traumas por trás de qualquer ato e responde com sobreproteção, gerará efetivamente crianças traumatizadas. A forma como os adultos enfrentam uma situação particularmente delicada para a criança, como um caso de abuso escolar, pode fazer a diferença, levando a uma criança que consegue superar e se torna resiliente ou uma criança que fica com medo e torna-se uma criança vítima.

Qual é o resultado?


O resultado de um estilo de parentesco superprotetivo, que vê o perigo em todos os lugares e promove um sentido exagerado de “eu”, são pessoas que não possuem as habilidades necessárias para enfrentar o mundo real.

Essas pessoas não desenvolveram tolerância suficiente à frustração, então o menor obstáculo os desencoraja. Nem desenvolveu uma Inteligência emocional adequada, então eles não sabem como lidar com as emoções negativas que certas situações suscitam.

Como resultado, eles se tornam mais rígidos, se sentem ofendidos por diferentes opiniões e preferem criar “espaços seguros”, onde tudo coincide com suas expectativas. Essas pessoas são hipersensíveis à crítica e, em geral, a todas as coisas que não se encaixam na visão do mundo.

Também são mais propensos a adotar o papel das vítimas, considerando que estão todos contra ou equivocados. Desta forma, eles desenvolvem um local de controle externo, colocando a responsabilidade sobre os outros, em vez de se encarregar de suas vidas e mudar o que podem mudar.

O resultado também é que essas pessoas são muito mais vulneráveis ao desenvolvimento de transtornos psicológicos, do estresse pós-traumático à ansiedade e à depressão. Na verdade, não é estranho que o número de transtornos de humor aumente ano após ano.

Fonte:
Mistler, BJ et. Al. (2012) The Association for University and College Counseling Center Directors Annual Survey Reporting. Pesquisa do AUCCCD ; 1-188

Este artigo foi publicado originariamente no site Rincón de la Psicología

A mãe gaúcha


Em homenagem à todas as mãe segue poesia de Jayme Caetano Braun

MÃE CRIOULA


Tamanho da fonte 
Mãe crioula do Rio Grande
Sacrossanta criatura,
Olho-d'água de ternura
Na velha várzea pampeana,
Não há rincão de alma humana,
Onde não se erga um altar
Somente pra te adorar
Como Deusa e soberana.

Mãe crioula do Rio Grande,
Legenda de mil amores,
Campo bordado de flores,
Delicadas, sem espinhos
Sombra amiga dos caminhos,
És o sagrado reduto
Onde o xiru, por mais bruto,
Aprende a beber carinhos!

Mãe do piazito dos ranchos
Ao desamparo da sorte
Desses que rolam sem norte
Pelos atalhos da vida;
Mãe que embala comovida
O amado filho campeiro,
Rezando à luz do candeeiro
Pra que ele cresça em seguida.

Mãe do gaudério sem lei
Que um dia se foi embora;
Mãe santa e buena que chora
Antes do filho partir;
Mãe que não sabe pedir
Por ter medo de magoar;
Mãe que de tanto chorar
Desaprendeu de sorrir.

Mãe do pobre peão de estância
Miserável dos galpões.
O paria das solidões
Maltrapilho, analfabeto;
Mãe que sob humilde teto
Pressente o trote do pingo,
Do filho que vem, domingo,
Trazer-lhe um pouco de afeto.

Mãe da chinoca inocente
Que enfrentando um mundo novo
Um dia caiu no povo
Pialada por sorte à-toa;
Mãe Divina, sempre boa,
Que lá ficaste sozinha
Rezando pela chininha,
Pois a mãe sempre perdoa.

Mãe dos tauras que morreram
Em peleias de outras eras;
Mãe que ao cruzar nas taperas
Sente que o peito se inflama,
Porque sofre o mesmo drama
Que alguma outra mãe sofreu
E recolhida ao seu eu
Em lágrimas se derrama.

Mãe que sofre ouvindo guacho
Rinchando, de tardezinha,
Como a chamar a mãezinha
Num triste e longo estribilho,
Por ver no pobre potrilho
O pesar grande e profundo
Do filho sem mãe no mundo
Que o possa tratar de filho.

Mãe gaúcha incomparável,
Rainha do Céu azul
Mãe do Rio Grande do Sul,
Mãe do centaura charrua,
Nem estrelas, nem a Lua,
Jamais te igualam no brilho
Quando a sentença - Meu filho
Entre teus lábios flutua.

Por isso é que, reverente,
Santa mãezinha querida,
Fonte de amor e de vida
Sacrificada aos deveres,
Sinto o maior dos prazeres
Ao beijar-te, Anjo Bendito,
Pois em ti eu beijo contrito
O mais sagrado dos seres!.



Morre o ex-presidente do Grêmio Fábio Koff

No comando tricolor, Koff foi o presidente mais vitorioso na história do clube 

No comando tricolor, Koff foi o presidente mais vitorioso na história do clubeFaleceu na manhã desta quinta-feira (10) o ex-presidente do Grêmio Fábio Koff, aos 86 anos. 

Ele estava internado desde o dia 3 de maio no Hospital Moinhos de Vento, e desde segunda-feira (7) estava no Centro de Tratamento Intensivo (CTI). De acordo com boletim médico divulgado pelo hospital, o dirigente faleceu às 7h20min de hoje, com um quadro de infecção generalizada e falência múltipla dos órgãos. 

Natural de Bento Gonçalves, Koff começou sua história na política no Grêmio ainda nos anos 1970. Esteve à frente da presidência tricolor em quatro mandatos, entre 1982/1983, 1993/1997 e 2013/2014. 

Foi considerado o presidente mais vitorioso do clube, com a conquista do Mundial de 1983 e duas Libertadores da América, em 1983 e 1995. Foi ainda presidente do Clube dos 13, a associação dos 20 maiores clubes de futebol brasileiros. 

Em nota, o clube lamentou a morte do ex-presidente: 

"Com enorme pesar o Grêmio informa o falecimento do seu eterno presidente Fábio André Koff, nesta quinta-feira, aos 86 anos. O Clube expressa toda consternação pela perda de um símbolo de sua história, responsável pela maior glória já alcançada dentro de campo, e solidariza-se com sua família, amigos e com a torcida tricolor." 


Réptil fóssil de mais 230 milhões de anos



Espécie, é identificado no interior do Rio Grande do Sul, foi batizada como “Pagosvenator candelariensis” como homenagem ao município de Candelária. 
 
Um réptil fóssil pré-histórico que viveu há aproximadamente 237 milhões de anos foi identificado no interior do Rio Grande do Sul por pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf).

De acordo com o líder da pesquisa, o doutorando Marcel Lacerda, não é possível saber com exatidão o local em que o fóssil foi encontrado já que ele foi doado anonimamente para o Museu Municipal Aristides Carlos Rodrigues, do município de Candelária, no Vale do Rio Pardo, durante o período do natal em 2015.
 
Entretanto, com a análise dos elementos químicos presentes, além das características da espécie e o período da formação, a pesquisa indica que é bastante provável que o fóssil venha mesmo da região da Candelária.

A pesquisa de Lacerda sobre o "Pagosvenator candelariensis" iniciou em 2016 e durou um ano. 
O artigo sobre este estudo foi publicado no Zoological Journal Of The Linnean Society em abril deste ano, a espécie viveu durante o Período Triássico (que durou entre 251 até 201 milhões) e o fóssil foi batizado de "Pagosvenator candelariensis" com uma homenagem ao município devido a sua importância para paleontologia. O significado deste nome é “o caçador da região de Candelária”.
Fonte: CP

Morre Mário Barbará, aos 63 anos



Morreu na manhã desta quarta-feira (2) o músico gaúcho Mário Barbará (foto) . Ícone de uma geração musical gauchesca e um dos autores do clássico Desgarrados, Barbará era natural de São Borja e tinha 63 anos. 

Ele lutava contra um câncer no fígado. A notícia da morte do músico foi dada pelo secretário de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do governo Estado, Victor Hugo:

"O mundo artístico do Rio Grande do Sul amanheceu hoje com a notícia da partida de Mário Barbará. Ícone de uma geração musical.  Um dos autores de Desgarrados (que tive o prazer de gravar) e outros tantos sucessos.Deixa obra referencial. Que esteja na luz", escreveu o secretário em uma rede social.

Dia do Chimarrão

cultura gaúchaO Dia do Chimarrão é comemorado anualmente em 24 de abril.


O chimarrão é considerado um dos principais símbolos da cultura gaúcha, visto não apenas como uma bebida de paixão entre os sulistas do Brasil, mas também como um importante conector social.

O ato de “tomar um mate”, como se diz no Rio Grande do Sul, pode ser interpretado como um convite social, visto que o chimarrão é uma bebida normalmente apreciada e compartilhada em grupos.

Em homenagem a este símbolo de grande importância para o gaúcho, foi criado o Dia do Chimarrão e do Churrasco, instituído a partir da Lei Estadual nº 11.929, de 20 de junho de 2003.

A escolha do dia 24 de abril para celebrar o chimarrão e o churrasco (considerado uma comida símbolo dos gaúchos), é uma homenagem a fundação do primeiro Centro de Tradição Gaúcha do mundo – CTG 35, em 24 de abril de 1948

A tradição de fazer uma espécie de chá feito com a erva-mate era comum entre os indígenas que habitavam a região sul do Brasil e atual Uruguai, principalmente entre os guaranis, aimarás e quíchuas.

Como preparar um chimarrão


* Preencha a cuia com dois terços de erva-mate num lado. Pode-se utilizar um aparador, prato ou, até mesmo, as próprias mãos para tapar a cuia;

* Na parte vaga, você deve colocar a água morna (apenas para começar o chimarrão). Colocando água morna, não se queima a erva e o chimarrão não fica amargo;

* Tape a boca da bomba com o dedo polegar e a coloque-a dentro da cuia descendo-a rente à parede, para que não fique ao meio da erva e não tranque o chimarrão. Se a água descer após você retirar o dedo da bomba, o chimarrão estará pronto;

* Agora, só falta saborear o delicioso mate. Se preferir, use um filtro para a bomba. O filtro impede o entupimento. Dessa forma, você se concentra, unicamente, em apreciar o sabor do chimarrão.

Os dez mandamentos do chimarrão


1) Não peças açúcar no mate.
2) Não digas que o chimarrão é anti-higiênico.
3) Não digas que o mate está quente demais.
4) Não deixes um mate pela metade.
5) Não te envergonhes do "ronco" no fim do mate.
6) Não mexas na bomba.
7) Não alteres a ordem em que o mate é servido.
8) Não "durmas" com a cuia na mão.
9) Não condenes o dono da casa por tomar o 1º mate.
10) Não digas que chimarrão dá câncer na garganta.

A cidade de Estação e Tiradentes


Município de Estação e sua história


Estação da RFFSA, origem do nome
Em 21 de abril do ano de 1988, pela Lei nº 8572, estava criado o município de Estação. Ocorrendo a primeira eleição em 15 de novembro do mesmo ano, elegendo Guido Comin e Dorvalino Cecconelo como representantes do legislativo. 


Dentro de sua história, os primeiros colonizadores chegaram no fim do século XIX e o rápido crescimento da pequena colônia deu-se pela riqueza florestal e e pelas terras férteis, próprias para maquinarias. O bom terreno propiciou o desmatamento das matas que desde o século XVIII eram habitadas por caboclos, de origem sulina e paulistas, que destinavam-se a comercialização de gado entre a região de Sorocaba e o Rio Grande do Sul, por meio de tropeadas. 

Até os dias atuais famílias como Pessoa da Silva, Borges, Teixeira entre outras vivem em Getúlio Vargas. Com a chegada dos imigrantes e da estrada de ferro, o eixo econômico da comercialização pecuária, encontrou novo foco, com o abastecimento dos recém chegados da Europa e das consideradas terras velhas (primeiras áreas de colonização do RS, como Serra e Vale dos Sinos). Os imigrantes em sua maioria italianos, alemães, poloneses e os próprios caboclos, introduziram a agropecuária diversificada, a viticultura, além de trigo, milho, feijão. Com intuito de legalizar a ocupação, que vinha desenvolvendo-se nesse local, no ano de 1908 foi fundada a Estação Erechim.

Tanta diversidade de raças e culturas, só ocorreu pela existência da estrada de ferro, inaugurada em 3 de maio de 1910, aos altos do Ramal Passo Fundo-Marcelino Ramos (PF–MR), onde as primeiras famílias de desbravadores desceram pela conexão estabelecida, ligando o Rio Grande do Sul ao estado de Santa Catarina.

Inconfidência Mineira


A Inconfidência Mineira, um dos primeiros movimentos organizados pela população brasileira para tentar buscar a independência do país, aconteceu em 1789. Segundo o professor de História João Pinto Furtado, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a comemoração de algo perdido é extremamente claro, visto que a Inconfidência foi uma revolução abortada porque não poderia chegar ao seu objetivo de independência. 

“Ela tinha divergências entre os próprios inconfidentes: eles pregavam a busca pela liberdade, mas provavelmente jamais teriam pensado em abolir a escravidão, por exemplo”, explica. “Esta contradição, com o fato de a revolução ter sido abortada, nunca veio a público.” O principal motivo que desencadeou a Inconfidência Mineira foi a imposição de taxas abusivas sobre a mineração do ouro. A população, descontente, decidiu se rebelar. “A questão é que hoje as pessoas não têm percepção deste deslocamento simbólico. Isto quase sempre faz parte do discurso científico”, diz Furtado.

O professor explica que a busca da identidade cultural resume o motivo pelo qual a revolução é tão comemorada nos dias atuais. “A promessa de liberdade, embora não cumprida pelos inconfidencialistas, continua sendo um bom motivo para se recordar. As pessoas acreditam que ela simboliza os direitos civis e humanos.”

O movimento também foi reapropriado no século 19, quando teve uma recuperação de sua memória – foram construídos monumentos a Tiradentes, foi criada a Praça 21 de abril. “Foi por causa do movimento republicano. Aconteceu uma forte disputa entre cariocas e paulistas sobre quem seria o grande mentor da república. 

Por uma espécie de acordo entre cavalheiros, voltaram ao passado e escolheram Tiradentes, o único que perdeu a vida na revolução mineira. Ele representa a luta pelas coisas que faltavam, o martírio.”


Visite o Rio Grande do Sul

Ruínas de São Miguel, patrimônio da humanidade, formam um dos mais antigos e belos cartões-postais do estado.

Com identidade cultural diversa, herdada de povos colonizadores, o Rio Grande do Sul é um dos principais destinos turísticos do Sul do Brasil. 

Do Litoral a Fronteira Oeste, do Chuí até as Missões, passando pela Serra Gaúcha, prestigiada nacionalmente, o estado oferece roteiros com belas paisagens, arquitetura renomada e gastronomia de qualidade.

Serra Gaúcha


A cidade de Gramado, na Região das Hortênsias, é um dos principais destinos para quem quer conhecer a influência alemã e italianaA maior demanda da rede hoteleira é na estação mais fria, quando as temperaturas baixas prenunciam geada, ou neve, registrada com certa frequência. Canela e Nova Petrópolis são alternativas para conhecer mais sobre a região.
A cultura italiana é destaque nos Caminhos da Colônia, em Flores da Cunha e Caxias do Sul, e nos Caminhos de Pedra, em Bento Gonçalves. No encontro do território bento-gonçalvense com Garibaldi e Monte Belo do Sul, o Vale dos Vinhedos possui reconhecimento nacional. O local representa o legado histórico, cultural e gastronômico dos imigrantes que chegaram ao estado em 1875. Agrega a modernidade tecnológica das vinícolas e a infraestrutura qualificada de turismo.

Litoral

Clima quente, trilhas abertas, paredões rochosos e morros também são atributos do território gaúcho. Entre as praias mais conhecidas e frequentadas do Litoral Norte e Sul estão Tramandaí, Capão da Canoa e Torres. Em Santa Vitória do Palmar, os banhistas podem se refrescar nas lagoas Mirim e Mangueira, e nas praias do Hermenegildo e Barra do Chuí, na fronteira com o Uruguai.

Missões

Alguns dos cartões-postais mais antigos se encontram em São Miguel das Missões. O Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo, patrimônio da humanidade, e o Museu das Missões, abrigam ruínas remanescentes do tempo em que os jesuítas chegaram ao Brasil, em 1549, trazendo a doutrina católica e os costumes europeus ao povo indígena que habitava o Sul do país.  

As raízes da violência

raízes da violência
O decreto que institui a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro chegou ao Senado Federal, onde deverá ser votado em plenário ainda hoje.

O projeto recebeu o número 4, de 2018, e “decreta intervenção federal no Estado do Rio de Janeiro com o objetivo de pôr termo ao grave comprometimento da ordem pública”.

Atualização (0h14)O plenário do Senado Federal aprovou pouco antes da meia-noite desta terça-feira (20) o decreto do presidente da República, Michel Temer, que impõe intervenção do governo federal na área de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. Foram 55 votos a favor, 13 contrários e uma abstenção. A matéria será promulgada.

Mas até que ponto a violência atingiu este grau de extremismo, poderemos ler nos artigos Raízes da Violência - uma introdução ao assunto, onde destacamos os seguinte trecho:

"...A falta e a questão dos limites gerando comportamentos aditivos: uso de substâncias psicoativas (álcool, drogas, ...), jogo patológico, obesidade, hiperatividade sexual, uso do computador (estimulando receptores dopaminérgicos, principalmente no sistema meso-córtico-límbico)..."


"... Frustrações escassas não desenvolvem a noção de limites e, quando exageradas, injustas e/ou incoerentes, provocam o predomínio do ódio e da violência sobre os sentimentos amorosos..." 

Nos dias atuais em que as relações tendem a impessoalidade e ao individualismo, são essas as ponderações que entendo adequadas a este espaço.

Longe de tê-las como soluções definitivas, mas que, de uma forma ou de outra, promovam a reflexão e o questionamento.

Eva Sopher, uma estrela que foi

uma estrela no céuEva Sopher morreu aos 94 anos na noite da última quinta-  feira.

Mais uma imigrante alemã, que adotando as terras gaúchas como seu chão, fez a diferença, é mais uma estrela que se faz presente no firmamento do céu do Rio Grande, todas as palavras ditas seriam menores do que representou para nossa cultura. 

Atravessou o Atlantico, enfrentou dificuldades, mas se manteve ao largo de governos e ideologias, foi uma ardorosa defensora das artes e do tradicional Theatro São Pedro, em Porto Alegre, 


Ela trabalhou em defesa do teatro por 42 anos enquanto presidiu a fundação à frente do local. Graças ao seu trabalho, o histórico teatro, inaugurado em 1858, reabriu à comunidade em 1984 após reformas. O complexo cultural de 18.000 m², erguido recentemente junto à estrutura do teatro para ampliar o espaço à cultura levará também o nome de Eva Sopher.

50 Anos do maior desastre ferroviário do RS

O choque de trens aconteceu em 1968 e causou mais de 50 mortes no local


Esse acidente, pelas informações que se tem, aconteceu no trecho da ferrovia que vai de Montenegro a Lajeado, próximo à estação Fanfa, no município de Triunfo, perto da ponte ferroviária sobre o rio Taquari. Deve ter sido o acidente ocorrido na localidade de Fanfa, o mais grave acidente ferroviário acontecido no Rio Grande do Sul.

Tragédia FerroviáriaUm trem cargueiro avan­ça em alta velocidade e colide vi­olentamente com os dois vagões de passageiros de um trem misto que fazia o trajeto de Porto Alegre a General Câmara, o pior acidente ferroviário da história do Rio Grande do Sul, 48 mortos e mais de 60 feridos que ficaram marca­dos física e psicologicamente para sempre.

"Eu me lembro daquele trágico acidente de Fanfa onde dezenas morreram. Ainda recordo do chefe da estação passando correndo frente à casa do meu tio em direção ao hospital para avisar do ocorrido. Eu era guri na época, alguma coisa eu me lembro do que foi o maior acidente de trem do RS. Um trem se não me engano carregado de paralelepípedos não parou num cruzamento e chocou-se com o trem misto que vinha de Porto Alegre. A maioria das pessoas trabalhava na capital ou retornava para passar o fim de semana, não lembro bem isto deve ter ocorrido em meados de 1967 ou 1968. Falavam na época que o maquinista do cargueiro teria dormido ao passar por uma estação onde receberia ordem para parar a 100 m do entroncamento. Sei que o maquinista não foi julgado e o crime prescreveu (30 anos)" (Cesar A. S. Pereira, Pântano Grande, RS, 04/2007). 

Foram, na verdade, 68 mortos e 60 feridos no dia 27 de janeiro de 1968. O trem misto, apelidado de "Leiteiro", colidiu com um cargueiro de 689 toneladas próximo ao bairro de Porto Batista, às 17h50 e a cerca de 100 m da estação de Fanfa, atingindo dois carros de passageiros. A estação deixou de receber trens de passageiros em fevereiro de 1996, quando estes foram suprimidos entre Porto Alegre e Uruguaiana. Está razoavelmente conservada em 2015 e servindo como moradia.

(Fontes: Victor Hugo Langaro; Bernardo Cerentini; Cesar A. S. Pereira; Claudio Arriens; Alfredo Rodrigues; IPHAE: Patrimônio Ferroviário do Rio Grande do Sul, 2002; Ariosto Borges Fortes: VFRGS, suas estações e paradas, 1962; Jornal Zero Hora, 1968; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1940-81; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)

Marcello Caminha, o violeiro dos pampas





Resultado de imagem para marcello caminha
   Música tema do Projeto Imagens Saiba mais sobre o     projeto (shows, oficinas, produtos etc) no site             www.violaogaucho.com

      Letra: Anomar Danúbio Vieira Melodia e arranjo: Marcello Caminha Ritmo: milonga

O desafio do mate bagual x mate nutella

           Eis que o Guri de Uruguaiana resolveu fazer o desafio do século: mate bagual x mate nutella,  como seu adversário, o representante nutella do tradicionalismo, Licurgo. 

        Vamos acompanhar abaixo, no vídeo, o desafio, se você não rir, tenho serias dúvidas sobre seu bagualismo ou se és uma prenda formada.


Temperatura se aproxima dos 39°C nesta sexta no RS

calor no litoral norte RS
O calor vai se intensificar no Rio Grande do Sul nesta sexta-feira. De acordo com a MetSul Metereologia, uma massa de ar quente predomina e as máximas podem passar dos 38°C em partes do Centro, Oeste e Noroeste do Estado. No Litoral, o dia será de muito sol, calor e água cristalina, mas a partir do período da tarde, o vento Nordeste com rajadas moderadas atingem a região.

Os índices de radiação ultravioleta se mantêm em alta em todo território gaúcho. A umidade do ar aumenta e acentua a sensação de abafamento, especialmente na Metade Sul do Estado.

Em Porto Alegre, a sexta-feira será ensolarada e o calor deve atingir o seu máximo deste verão. A previsão é de marcas entre 18°C e 39°C na Capital – onde fez 38,5°C nesta quinta.

Fonte: CP

Significados do "Capaz"


bem capaz Menos conhecida do que a interjeição "Bah", a expressão "Capaz" – em suas múltiplas e talvez inesgotáveis aplicações – é uma das coisas mais esquisitas e mais insubstituivelmente úteis do dialeto sul-rio-grandense. 


Por sinal, só descobri que o nosso "Bem capaz" era um exemplo de fala regional quando tinha já 30 e tantos anos. Até então, achava que fosse uma expressão universal e que provavelmente haveria um equivalente em mandarim. (O mesmo ocorreu com certa expressão que só os bajeenses entendem e que para o resto da espécie é hermética: Ué-saia. Mas isso é assunto para outro momento.)

Num primeiro patamar semântico, esse "Capaz" dialetal quer dizer "possível". Nesse caso, é voz comum em várias partes do Brasil. A acepção aparece lá nas profundezas de um verbete no Aurélio – mas não no Houaiss. Segundo o estimado dicionário, o "capaz" como índice de possibilidade também ocorre em Angola e Moçambique. Aqui vai um exemplo simples:

– É capaz que eu vá hoje na festa.

Ou seja: Não garanto, mas é possível, ou até provável, que eu vá.

Contudo, com breves mudanças na frase, a palavra adquire entre nós o significado oposto – e aí diversão começa. Se eu eliminar a oração principal e colocar o verbo no subjuntivo, com um ponto de exclamação, assim:

– Capaz que eu vou nessa festa!

Então o significado pode ser, dependendo da entonação:

– De jeito nenhum eu vou nessa festa!

Ou melhor:

– Que coisa mais absurda alguém sequer cogitar que eu vá nessa festa!

Esse significado de negação enfática pode ser intensificado com a adição de "mas" ou "bem", ou ambas as coisas, no início da frase. Por exemplo:

– Mas capaz que eu vou nessa festa!

– Bem capaz que eu vou nessa festa!

– Mas bem capaz que eu vou nessa festa!

"Bem capaz", sozinho na frase, sempre tem esse sentido de uma aniquilação absoluta de possibilidades. O "Bem capaz" é a nêmesis de um assunto: encerra-o com veemência de guilhotina. Uma vez pronunciado, não há mais volta. É preciso frisar: o "Bem capaz" não significa, aqui, mera imprecisão ou vaga probabilidade. Significa um "não" exacerbado, um golpe de gládio sobre o nó górdio do possível.

– Vais à praia?

– Bem capaz!

Ou seja, não vou de jeito nenhum, não vou nem morto à praia, quero distância da praia, abomino o som da palavra praia. Bem capaz que eu vou pra praia!

Mas isso nem sempre soa brutal; às vezes aparece como uma forma de camaradagem agressiva e bonachona:

– Eu acho que bebi demais ontem de noite e incomodei vocês.

– Bem capaz, meu!

O que significa:

– Nem pense nisso, esqueça! (Mas esqueça mesmo, senão apanha.)

Seguindo a mesma progressão, "Capaz" ou "Bem capaz" podem significar "De nada":

– Bah, muito obrigado por me salvar daquela cruzeira!

– Capaz! (Ou seja: não precisa agradecer, foi um prazer afugentar o ofídio.)

E também como resposta universalmente misericordiosa a um pedido de desculpas:

– Foi mal. Estraguei tudo. Desculpa aí.

– Capaz!

Esse último significando: não precisa pedir desculpas, mas, já que pediu, está desculpado, e não se fala mais nisso. Nesse sentido, o "Capaz" se parece com o uso que se faz, em várias partes do Brasil, da expressão "Imagina!".

"Capaz" – sem o "bem" na frente – também pode significar "como assim", coisa que muitos gaúchos não notam e usam sem perceber:

– Meu filho quebrou a perna.

– Capaz?

Ou também:

– Capaz que vocês se separaram!

Agora, significando:

– Como assim, vocês se separaram?

É possível que o uso negativo do "Capaz" tenha começado como forma de ironia. Por exemplo, quando alguém nos faz uma pergunta cuja resposta é evidente, e então dizemos o contrário do que queremos dizer:

– Vais no show?

– Claaaro que vou! Nossa, já tô indo!

Significando: não há a menor chance de que eu vá nesse show e me espanta que alguém me pergunte isso. Um dado curioso: o alongamento da primeira sílaba desse Claaaro irônico tem o mesmo sentido de eloquência destruidora que damos ao Beeeem capaz.

Todas essas variações de sentido, oscilando às vezes entre antípodas semânticos, dependem das nuances da fala. Há momentos transcendentais, em que o próprio tecido do espaço-tempo é desafiado. "Capaz que não": dependendo da entonação, pode significar "Talvez não" ou "Absolutamente sim".

Após tornar público meu interesse pelo assunto, leitores de diversos lugares do Brasil me informaram que o "capaz" como negação também se encontra no Paraná, em Santa Catarina, no interior de São Paulo (não na capital), em Minas e Goiás. Haverá algum vínculo entre essas transmigrações de sentido e as antigas rotas do tropeirismo pelo interior do Brasil? Capaz que sim. Capaz que não.





Por José Francisco Botelho

Autor de "A Árvore que Falava Aramaico", tradutor de "Romeu e Julieta", entre outros

Fraport assume nesta terça administração do Aeroporto Salgado Filho

salgado filho
O Aeroporto Internacional Salgado Filho passa, a partir desta terça-feira, para a administração da Fraport, empresa alemã que assume as operações em decorrência do processo de concessões do governo federal.

O grupo pretende investir R$ 600 milhões no terminal até 2021. A Fraport administra 30 aeroportos em todo o mundo. No Brasil, além de Porto Alegre, ela também venceu a concessão em Fortaleza. A outorga pelo aeroporto gaúcho rendeu à Infraero R$ 382 milhões, com concessão por 25 anos, prorrogáveis por mais cinco. A administração compartilhada do terminal começou em fim de agosto e deve, na prática, se estender até março ou abril.

O programa de investimentos obrigatórios envolve a expansão do terminal para 36 mil metros quadrados, extensão da pista por pelo menos 920 metros, implementação de novos sistemas automáticos de gerenciamento de bagagens e de controle de segurança e 14 pontes de embarque de aeronaves.

Também prevê melhorias como a sinalização de terminais, iluminação externa para os acessos de rodovias, estacionamentos, terminais de carga e de passageiros, por exemplo. A ampliação da pista deve ser concluída em até 52 meses. Esse é o prazo limite, o que não impede que a obra possa ser finalizada antes.

Calor escaldante no Rio Grande do Sul

  A tarde deste sábado ficou entre as mais quentes do ano no Rio Grande do Sul. O fluxo de ar quente vindo de norte, induzido pela aproximação de uma frente fria que está na Argentina, contribuiu para o calor intenso. O sol forte e o ar seco também ajudaram a aumentar ainda mais a temperatura no estado.

Uruguaiana registrou a maior temperatura do Brasil neste sábado: 39,6°C, de acordo com as medições da estação automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). Quaraí (38,6°C), Santa Maria (38,6°C), São Vicente do Sul (38,5°C), Campo Bom (38,3°C), São Borja (38,0°C), Alegrete (37,7°C), São Luiz Gonzaga (37,7°C), Bagé (37,6°C) e São Gabriel (37,6°C) ficaram entre as mais quentes do país no dia de hoje, considerando a rede automática do INMET.

A capital, Porto Alegre, teve 35,8°C. Foi a maior temperatura dentre todas as capitais brasileiras nesta tarde de sábado. Na estação automática do INMET, a umidade relativa chegou a apenas 30% por volta das 17h.

Amanhã, com a rápida passagem da frente fria, o Rio Grande do Sul volta a ter chuva. Na região de fronteira com o Uruguai pode chover já pela manhã. Nas demais áreas, chove apenas a partir da tarde. O dia ainda começa muito abafado em todo o estado, condição que favorece ainda mais a ocorrência de temporais durante a tarde.

A chegada de uma fraca massa de ar frio afasta as instabilidades do estado na segunda-feira e garante um amanhecer com temperaturas mais amenas. Mas o refresco é passageiro, pois já durante a tarde de segunda volta a fazer calor em praticamente todo o Rio Grande do Sul.

Campanha contra assédio sexual no transporte público

assédio sexaul
Além de ações educativas, também está prevista a colocação de cartazes em todos os ônibus com mensagem educativa e telefones para denúncias. 


Uma campanha contra o assédio sexual no transporte público foi lançada neste sábado (25) em um evento no bairro Restinga, na Zona Sul de Porto Alegre. A iniciativa é da prefeitura da capital gaúcha e das 12 empresas de ônibus, e ocorre no Dia Internacional contra a Violência de Gênero.

Além de ações educativas, também está prevista a colocação de cartazes em todos os ônibus com mensagem educativa e telefones para denúncias.

“O assédio sexual é uma atitude inaceitável, que merece todo o nosso repúdio. É fundamental o engajamento da população nesta campanha”, afirma o diretor-presidente da empresa, Marcelo Soletti.

A secretária interina de Desenvolvimento Social e Esporte, Denise Ries Russo, enfatiza que as vítimas precisam sentir segurança para denunciar os abusos. "Qualquer pessoa que presenciar uma situação de abuso em ônibus pode tomar uma atitude, desde informar ao cobrador e motorista até fazer a denúncia", explicou.

Segundo a coordenadora Municipal da Mulher, Fernanda Machado Inácio, a campanha busca a conscientização dos usuários dos coletivos para que denunciem as situações de assédio ocorridas dentro dos ônibus.


"Queremos mostrar ao público que este tipo de situação é um problema de todos os passageiros das linhas viárias da cidade", adiantou.


A campanha ocorre até o dia 10 de dezembro, período conhecido como 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero, iniciado em 1991 pelo Women's Global Leadership Institute. O objetivo é enfatizar que a violência contra a mulher é uma violação aos direitos humanos.

No Brasil, ações do gênero começaram a ser realizadas em 2002.

Governo federal repassa R$ 240 milhões para concluir segunda ponte do Guaíba

Rio Guaiba
A obra de construção da segunda ponte do Guaíba, no Rio Grande do Sul, receberá R$ 240 milhões do governo federal. O anúncio foi feito pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, nesta quinta-feira. O ministro estará em Porto Alegre nesta sexta-feira para a oficialização dos recursos.

A obra foi incluída no Programa Avançar, do governo federal, lançado há duas semanas com o objetivo de finalizar mais de sete mil obras que estavam paralisadas em todo o Brasil.

De acordo com o ministro, as obras da ponte estão atualmente com cerca de 45% concluídas. "Com esses 240 milhões, pode chegar em 85% da obra. E aí, no ano que vem, a ideia é a gente conseguir uma dotação extra de novo para que a gente possa concluir”, explicou o ministro.

O ministro Padilha calcula que faltam R$ 345 milhões para a conclusão da segunda ponte. R$ 412 já foram pagos e o custo total é de R$ 757 milhões, conforme ele.

A nova ponte terá extensão de 2,7 quilômetros, que com as ligações complementares, pode chegar aos 3,5 quilômetros, passando por três ilhas.

Search This Blog

Header Ads

Clima

Clima
Tecnologia do Blogger.