Relatos de um sobrevivente da greve de ônibus, um testemunho

greve
A greve do transporte coletivo de Porto Alegre atingiu níveis épicos nesta última terça feira, e foram muitos os abusos sejam dos usuários (relato mais tarde) e da categoria dos rodoviários. 

A lógica da greve é : utilizar um instrumento de força contra os empregadores e poder público, no meio, espremida, a população, que nada pode fazer, não assiste com bons olhos, os prejuízos indiretos, falta de atendimentos em setores básicos da cidade : hospitais, postos de saúde, comércio, indústrias e serviços em geral. 

Ontem (28/01), fui obrigado a utilizar o serviço de transporte público para um compromisso que não poderia faltar. Embarquei em um ônibus articulado da Companhia Carris, linha Transversal 2 (T2).  Vejo que ainda falta muito para a civilidade chegar definitivamente a este país. Enquanto paguei a passagem e submeti a um coletivo superlotado, várias pessoas ( dezenas) entravam pela porta da saída e a travavam até que todos embarcassem. 

Sem contar que trajeto foi feito sobre intenso calor. 

Ah, sobrevivi descendo um  pouco antes, pelo temor que não mais desembarcar na minha própria parada. E nada de solução.

E os velhos refrões: "Sem negociação, a cidade para..."  relembrando a cidade parou para quem mais necessita de transporte.

E nem falarei mais nada, afinal, serão palavras ao vento... que pode mais, chora menos e os prejuizos ??? como diria o personagem do humorista Chico Anísio : " Eu quero que pobre se exploda.."


2 comentários:

  1. Na maioria das vezes estas greves fazem parte de uma negociação entre os sindicatos dos empregados e os donos das empresas de onibus ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Joselito,

      Foi o boato mais corrente aqui, apesar depois que a Justiça do Trabalho declarou ilegal a greve, o sindicato radicalizou.. vamos aguardar..

      Abraço e obrigado pelo comentário

      Excluir

@pharispoa