A tragédia ambiental do Rio Doce é amenizado por produto do RS



Contaminado
Uma tecnologia produzida no Rio Grande do Sul ajuda a acelerar o processo de purificação da água em Governador Valadares — município mineiro do Vale do Rio Doce que foi atingido pelos rejeitos das barragens de Fundão e Santarém. É o polímero de acácia negra, um coagulante líquido que acelera em até 40 segundos o processo de decantação da lama presente na água. 

A substância foi desenvolvida e aprimorada durante as últimas três décadas pela empresa gaúcha Tanac, com sede em Montenegro, no Vale do Caí. E está sendo utilizada pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Governador Valadares desde o início desta semana, possibilitando a retomada da captação da água com barro do Rio Doce.

Segundo o doutor em Química e professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Antonio Mangrich, a substância interage com o material inorgânico que está em suspensão (óxidos e hidróxidos metais e argila), tornando-o mais compacto e "pesado". Isso faz com que a lama presente na água vá para o fundo (decantação). A vantagem do polímero em relação a outros produtos, conforme ao pesquisador do assunto, é o fato de ser orgânico (e não trazer prejuízos para a saúde) e de custo médio, se comparado com outras tecnologias.
Fonte: ZH

Nenhum comentário:

Postar um comentário